A tendinopatia do tendão de Aquiles é uma das lesões mais frequentes em desportos relacionados com a corrida. Tal como acontece quando existem lesões noutras estruturas tendinosas, a carga de exercício é um elemento muito importante e que provoca a ocorrência deste tipo de patologias. 

O que é uma Tendinopatia do tendão de Aquiles?

O tendão de Aquiles, à semelhança de outros tendões, entre todas as suas funções podem destacar-se as mais importantes:

  • a transmissão da força gerada pela contracção muscular;
  • “Efeito mola”, ou seja, absorção de grande parte da energia que é produzida no momento do apoio do pé e libertação da mesma para permitir uma marcha eficaz e eficiente.

Mesmo que o tendão de Aquiles seja um dos tendões mais fortes e largos do corpo humano, também está sujeito a lesionar-se com mmais frequência do que a que imaginados.

A tendinopatía Aquiliana por Javier Harriez, fisioterapeuta

Como prevenir uma tendinopatia do tendão de Aquiles? Como tratar uma patologia tendinosa aquiliana? São várias as questões expostas pelos pacientes quando sofrem de dores e desconforto na zona do tendão de Aquiles. Para explicar um pouco mais esta patologia contamos com o professor Javier Herraiz, especialista nesta matéria e, principalmente, neste tendão.

Antes de mais, é necessário recordar que o conceito “tendinite” não é o mais adequado ao não tratar-se de uma inflamação. O termo correcto seria “tendinopatia“, afirma Javier.

tendinopatía del tendón de AquilesO tendão de Aquiles é o tendão mais largo do corpo humano e um dos mais fortes. É uma continuação tendinosa do tríceps sural, que está formado pelo gêmeo interno, externo e sóleo. Inserta-se na parte distal no calcâneo, ocupando a posição lateral do mesmo e com uma distribuição diferente das distintas fibras em relação à tipologia de tendão.

Contribui bastante ao suportar o peso do corpo humano e a tensão exercida sobre ele aumenda consideravelmente em atividades como: correr, saltar ou dançar. Nestes caso, o tendão de Aquiles tem de suportar entre 8 a 10 vezes mais que o peso total do nosso corpo.

É possível que uma tendinopatia do tendão de Aquiles que crie em duas zonas distintas do tendão, essas zonas são:

  1. Inserção óssea: entesopatia aquiliana: inclui a afectação própria da transição do tendão ao osso;
  2. Corpo do tendão: afecta o paratendão e o próprio corpo do tendão.

Causas da tendinopatia no tendão de Aquiles

Tal como foi referido anteriormente, uma das principais causas para o aparecimento de patologias no tendão de Aquiles é a má adaptação das cargas de exercício. Tanto o excesso como a falta de carga são factores de risco que é necessário ter em conta. Existem muitos factores intrínsecos a ter em conta e que podem contribuir para que a lesão apareça, por exemplo: falta de controlo motor, falta de elasticidade, diminuição do movimento a nível articular, entre outros.

Tratamento da tendinopatia do tendão de Aquiles

Um dos sintomas mais evidentes de uma tendopatia do tendão de Aquiles é a dor e a diminuição de aspectos relacionados com o movimento funcional. A dor no tendão de Aquiles, é uma dor localizada e é associada muitas vezes a uma rigidez na zona e, dependendo da fase de evolução da patologia pode que prejudique a atividade normal do sujeito.

É importante ter em conta que, para realizar o tratamento de uma tendinopatia no tendão de Aquiles é necessário que o profissional da saúde realize um correcto diagnóstico diferencial. Para isso, é possível recoger a vários testes ortopédicos, assim como também a provas de imagem para conseguir-se descubrir focos de dor tendo em conta os sintomas do paciente. Sempre que existam mudanças na estrutura do tendão esta situação pode ser considerada como um factor de ricos de que apareça uma lesão. É importante que, antes de dar início ao tratamento, o médico, o fisioterapeuta e/ou o osteopata realizem um correcto raciocínio clínico ou uma correcta avaliação do caso. Essa avaliação irá determinar as diferentes fases a seguir durante o tratamento. A localização da patologia, assim como, o conhecimento dos factores intrínsecos e extrínsecos são importantes para que não exista o risco de agravar a lesão.

Existem várias técnicas válidas ao dispor dos profissionais da saúde, incluindo os fisioterapeutas, para utilizar depois da realização do correcto diagnósticos fisioterapêutico. De uma maneira geral, uma tendinopatia incluí mudanças a nível da estrutura do próprio tendão, diminuição da função muscular e diminuição do controlo motor. Para a abordagem e tratamento das mudanças produzidas no tendão de Aquiles ou qualquer outra tendinopatia a nível estrutural e metabológico, a eletrólise percutânea é uma das ferramentas mais válidas e com resultados comprovados.

tendinopatia do tendão de aquilesA Eletrólise Percutânea Terapêutica EPTE® é uma técnica segura, efetiva e praticamente indolor tendo em conta outro tipo de técnicas. Apesar de que seja uma técnica de fisioterapia invasiva e os pacientes possam demonstrar algum medo antes de iniciar o tratamento, a verdade é que a técnica EPTE® reduz consideravelmente os tempos de recuperação do paciente e os resultados são vísiveis após as primeiras sessões.

Outro elemento que deve ser considerado durante e depois do tratamento de uma tendinopatia do tendão de Aquiles e, principalmente, após a aplicação da técnica Eletrólise Percutânea, é o exercício terapêutico. É necessário adequar adequar e introduzir os exercício segundo as capacidades do paciente.

Gostou do conteúdo deste post? Seguramente estes também serão do seu interesse:

Tendão Supra-Espinhoso: ter uma tendinopatia no ombro é grave?

Tendinopatia rotuliana: lesões no joelho de um saltador