Perguntas frequentes sobre a EPTE®

Perguntas gerais

O que é a EPTE®?

EPTE® é a sigla de Eletrólise Percutânea Terapêutica, uma técnica inovadora para a recuperação de tendinopatias mediante electroterapia.

A EPTE® é RÁPIDA, EFECTIVA E MINIMAMENTE INVASIVA. À diferença de outros tratamentos esta é uma técnica praticamente INDOLOR para o paciente.

EPTE® é também o nome pelo qual se conhece popularmente o dispositivo com o qual se aplicam os tratamentos de Eletrólise Percutânea Terapêutica.

Qual é a base científica dos tratamentos EPTE®?

O processo pelo qual uma corrente eléctrica altera a estrutura química e separa os elementos de um composto recebe o nome de eletrólise.

EPTE® aproveita os princípios da eletrólise para conseguir uma resposta terapêutica. Os dispositivos de eletrólise percutânea terapêutica emitem e regulam a corrente galvânica que se aplica sobre o tecido afetado, com o objetivo de produzir a eletrólise e ativar o processo regenerativo que favorece a recuperação.

ANTECEDENTES CIENTÍFICOS

As experiências realizadas durante o século XVIII com a eletricidade obtida por fricção já começaram a mostrar a sua ação biológica. Em 1791, Galvani publicou um artigo científico titulado de viribus electricitatis in motu muscularis (sobre a ação da eletricidade no movimento muscular), no qual sustentava a teoria de que os seres vivos eram produtores de eletricidade. Volta, analisando as experiências de Galvani, observou a possibilidade de produzir eletricidade por meios químicos; em 1800, construiu a primeira pilha elétrica mediante a aplicação – daqui provém a origem do nome – de um disco de cobre e zinco sobreposto, separando cada par com um filtro mergulhado em água acidada. À corrente contínua assim obtida, Volta deu-lhe o nome de corrente galvânica, em honra àquele investigador, mas havia algo em que Galvani não acreditava: na produção química da energia elétrica.

 No século XVIII, imediatamente após as descobertas de Volta e Galvani, começaram as aplicações médicas da corrente galvânica. Durante o século XIX, a descoberta do fenómeno da indução por Faraday que introduziu no sector terapêutico o primeiro tipo de correntes variáveis, batizado, pelo seu descobridor, com o nome de correntes farádicas. Finalmente, a descoberta e aplicação terapêutica, já no século XX, das correntes variáveis de alta frequência (dia-termia, onda curta, radar, ondas decimétricas), de características físicas e biofísicas muito distintas das baixas frequências, ampliaram muito este campo da eletroterapia.

Porque é efetiva a técnica EPTE®?

  • É um tratamento local aplicado diretamente onde se localiza a lesão. Aplica-se de forma direta sobre o tecido alterado e/ou degenerado.
  • Consegue reparar o tecido afetado, metendo em ação um novo processo de reparação do próprio tecido danificado, sem que o tecido saudável se veja afetado.
  • A recuperação do tecido macio é imediata e em tempo real.
  • A efetividade é muito alta no que diz respeito a outros tratamentos convencionais de fisioterapia (ultrassons, laser, ondas de choque) ou médicos (fármacos, infiltrações, cirurgia).
  • A frequência de recaídas é baixa.
  • Na maioria dos casos o tratamento não exige uma paragem brusca da atividade desportiva, sendo compatível com o treino ligeiro ou exercícios de baixa intensidade.

O tratamento com EPTE®

Em que consiste o tratamento com EPTE®?

O tratamento com EPTE® consiste na aplicação de uma corrente galvânica através de uma agulha de acupunctura para aceder ao tecido macio danificado (tendão, ligamento, músculo, etc) e conseguir a sua recuperação. A corrente galvânica (também chamada contínua) permite que a água e o sal se descomponham nos seus elementos constituintes para voltar a reagrupar-se e formar novas substâncias como hidróxido de sódio, gás cloro, etc. A este processo dá-se o nome de ELETRÓLISE.

Com a aplicação de EPTE® e graças ao seu regulador de intensidade (μA/cm2) produzimos um estímulo elétrico que provoca a destruição do tecido macio degenerado e uma resposta inflamatória de carácter local. Esta reação permite a fagocitose, sem que o tecido saudável seja afetado. Falando de outra maneira, o tratamento com EPTE® consegue que o tecido lesionado seja destruído sem afetar o tecido saudável que o rodeia, já que o tecido degenerado tem uma menor resistência quando em contacto com a corrente e destrói-se com maior facilidade.

O efeito biológico que conseguimos com a aplicação da corrente é a REAÇÃO INFLAMATÓRIO, necessária em todo o caso para reativar os processos de regeneração do tecido, graças ao processo de neoangiogênese (formação de novos vasos sanguíneos) que se consegue criar na zona e que é responsável pela recuperação do tecido tendinoso.

Que lesões posso tratar com EPTE®?

Os estudos com EPTE® obtêm resultados muito bons na reabilitação de lesões tendinosas, roturas de ligamentos, fascite plantar, periostite, etc.

Mais especificamente, o tratamento é especialmente indicado para lesões em:

  • Tendão supra espinhoso.
  • Tendão rotuliano.
  • Tendão de Aquiles.
  • Epicôndilo.
  • Fascite plantar.
  • Rotura ligamentos.
  • Isquiotibiais.
  • Púbis.

Para que pacientes é recomendado EPTE®?

Os tratamentos com EPTE® resultam efetivos para a recuperação de lesões nos tendões de qualquer tipo de paciente, sem um perfil exclusivo, sejam DESPORTISTAS PROFISSIONAIS, AFICIONADOS ou PESSOAS COM HÁBITOS DE VIDA SEDENTÁRIOS.

A eletrólise percutânea terapêutica aplicada com EPTE® é uma excelente maneira de acelerar a recuperação de lesões tendinosas e musculares com garantias. Não importa que a lesão tenha origem na prática desportiva ou na vida doméstica.

Com a aplicação de EPTE® ativamos a primeira fase de qualquer processo regenerativo paralisado numa tendinopatia. Mediante este processo destrói-se o tecido degenerado e provoca-se uma fase de resposta inflamatória, necessária para todo o processo de regeneração.

[/accordion]
[accordion title=”

Como e quando aplicaremos a técnica EPTE®?”]

Aplicaremos a Eletrólise Percutânea Terapêutica nas 48 horas após ter sido produzida a lesão. Assim, ajudamos a regular o metabolismo, já que neste período de tempo começa o processo de fibrose. Em seguida, realizaremos a aplicação de um penso compressivo para aproximar as paredes. Depois de administrar o tratamento da eletrolise, em qualquer patologia, é necessário relembrar que NUNCA SE DEVE APLICAR GELO.  Iniciaremos as sessões de trabalho excêntrico depois de ter sido aplicado calor.

Quando NÃO aplicaremos a técnica EPTE®?

• Em próteses.

• Pessoas com marca-passos cardíacos.

• Grávidas.

• Processos oncológicos

• Tromboflebite.

• Doenças de pele.

• Alterações neurológicas.

E, NUNCA se deve aplicar GELO depois de um tratamento com EPTE®.

A técnica EPTE® é suficiente para conseguir a total recuperação de tendinopatias?

Não. Os tratamentos de Eletrólise Percutânea Terapêutica permitem a regeneração do tecido afetado, mas a recuperação total do paciente exige a realização de um programa complementado com exercícios excêntricos depois do tratamento com EPTE®.

Compra e garantia do aparelho EPTE®

Quanto custará o meu aparelho EPTE®?

Não muito. Tem em conta que é até 4 vezes mais económico que outros aparelhos similares existentes no mercado. Contacta-nos e explicamos-te tudo detalhadamente.

Como posso comprar o aparelho EPTE®?

Se estás interessado em adquirir um aparelho EPTE visita a nossa loja online ou envia-nos um e-mail para info@ionclinics.com. O pagamento pode fazer-se através de transferência bancária, contrarreembolso ou através de alguns dos nossos planos de financiamento personalizados até 36 meses.

Por pouco mais de um euro por dia podes conseguir o teu aparelho EPTE®!

Envia-nos um e-mail e explicamos-te como.

Que acontece se tiver algum problema com o meu aparelho EPTE®?

Em EPTE® contamos com uma equipa de engenheiros e técnicos ao teu dispor para resolver qualquer problema com a maior brevidade possível.

O nosso serviço de atenção post venda está activo em horário laboral de segunda a sexta.

Como usar o meu aparelho EPTE®

Como se utiliza o aparelho EPTE®?

Juntamente com o seu aparelho, também lhe enviaremos um manual de usuário. E ainda, ao efetuar a compra oferecemos-lhe a formação teórica e prática adequada para que possa aproveita ao máximo o seu aparelho EPTE®.

Deve utilizar-se um ecógrafo para efetuar a EPTE®?

Não. O uso do ecógrafo não é indispensável para a aplicação da técnica EPTE®, sempre e quando seja utilizado por um profissional da fisioterapia ao qual se presume um conhecimento preciso dos músculos e tecidos do corpo humano.

Não obstante, em ocasiões pode ser de grande utilidade realizar uma EPTE® guiada por ecografia, para comprovar a gravidade da lesão, melhorar a precisão da picada ou ver como a lise se efetua corretamente.

¿Que tipo de mantimento necessita o dispositivo EPTE®?

Aconselha-se desligar o sistema EPTE® no final de cada sessão de tratamento, sem esquecer de desligar da corrente, ou seja, retirar os cabos da ficha. O equipamento deve ser guardado dentro da bolsa proporcionada, juntamente a todos os seus acessórios. As baterias alcalinas têm tendência a perder o seu eletrólito, que é corrosivo, mesmo dentro da data de validade impressa.

Se não prevê utilizar o aparelho por um período de vários meses ou se as baterias estão instaladas à mais de um ano, recomendamos retirá-las ou trocá-las por umas novas, respectivamente, para evitar que derramem o seu eletrólito e que isso provoque danos no equipamento.

Online Assistance

For any questions please contact us

Call to (+34) 960 606 200